QUEM SOMOS

Somos um empreendimento feminino, com foco na qualificação de mulheres do campo pela produção e processamento de mel, própolis e cera de Abelhas Nativas!

Como uma colmeia, a Heborá deseja formar uma grande rede de colaboradoras para distribuir saúde, diversidade, inovação e conhecimento por meio das abelhas dos Brasil.

Idealizada pelas irmãs Juliana e Mariana Feres, Heborá está muito além do mel! Aliada à ciência e tecnologia, procuramos resgatar uma atividade indígena e transformar seus subprodutos. Por isso, oferecemos, além dos méis de altíssima qualidade e muito apreciados pela alta gastronomia, cosméticos e bebidas fermentadas. Nossa marca está associada e colaborando com pesquisas científicas de Universidades públicas, transferindo o saber acadêmico para as mulheres do campo e distribuindo seus produtos através de eventos culturais e gastronômicos.

 


 


NOSSO PROPÓSITO

O propósito das abelhas não é produzir mel. O da Heborá também não!

Nesse momento você pode se perguntar: Esse não deveria ser o propósito de qualquer marca de mel? Bom...
Acontece que as abelhas polinizam... e a gente também. Nosso propósito é propagar a meliponicultura –a criação de abelhas sem ferrão– através do empoderamento de mulheres do campo.

Então onde entra o mel? Mais fácil seria perguntar onde ele não entra!
O mel está em tudo. Em ensinar, manusear, proteger, pesquisar e então produzir linhas gastronômicas, medicinais e de cuidado, com selos de qualidade, 100% feitas no Brasil, respeitando a biodiversidade e promovendo justiça social.
Buscamos, assim como uma colmeia, enxamear essa rede de colaboradoras e distribuir saúde, alta gastronomia, inovação e conhecimento.
 


 


NOSSA VISÃO

Você conhece as abelhas brasileiras SEM FERRÃO?

Também chamadas de Abelhas Indígenas ou Meliponíneos, elas representam um imenso e pouco conhecido patrimônio biológico brasileiro. No nosso país existem mais de 200 espécies de abelhas SEM FERRÃO, distribuídas nas diversas regiões e formações florestais. São consideradas polinizadoras-chave para a manutenção de várias espécies vegetais nesses ecossistemas, além de produzirem méis de altíssima qualidade, com elevado sabor e potenciais medicinais.

Dentre as espécies mais conhecidas estão as jataís, mandaçaias, irapuás/arapuás, uruçus e marmeladas.

Diante das perdas florestais, o aumento do uso de agrotóxicos e o desconhecimento sobre o assunto, as abelhas brasileiras estão ameaçadas. E, com elas, todo o equilíbrio biológico e agrícola do nosso país!

A meliponicultura – criação de abelhas sem ferrão– é uma das poucas atividades no mundo que se encaixa nos quatro grandes eixos da sustentabilidade, pois é geradora de impacto ambiental positivo, é economicamente viável, é socialmente justa e culturalmente importante pela proposta educacional que desempenha no convívio com a sociedade. Pode ser desenvolvida em pequena escala em ambiente rural, trazendo muitos benefícios ecológicos e terapêuticos. Geralmente é produzida por agricultorxs familiares, que em associações ou redes de comercialização solidária ampliam sua renda e de suas comunidades.



O projeto Heborá acredita que espalhar a meliponicultura pelos Biomas do Brasil é a chave para garantir a preservação da biodiversidade e promover justiça social.


     


 

      
A Heborá está muito além do mel!